Diário de Bordo: 6 shows e 2 participações

Diário de Bordo – 6 shows, 1 participação e + 3 shows na Festa NACI:

“Impressionante essas últimas duas semanas. Misturamos um monte de ensaios pra chegada de Andy Summers, com 6 shows, duas participações e uma algazarra na Festa Nacional da Música, com três shows também e duas grandes sessões de jam sessions.

Ao voltar de Minas, já engatilhei um show acústico na quinta-feira, na livraria Argumento no Leblon-RJ. Era um show acústico onde faria uma homenagem a Tiça Magalhaes, na mesma livraria onde inventei a Kombi Elétrica. Dessa vez o show foi dentro da loja. Estava lotado de amigos e amigas de longa data e fiz um show de 1 hora com todo mundo participando. Muito emocionante, pois a Tiça (que se foi) era uma pessoa querida de todos.

No sábado fomos pro Vale das Videiras em Petrópolis! Fomos com a equipe completa e ficamos hospedados na casa de um amigo do meu empresário, num visual incrível, enquanto fazíamos hora entre a passagem de som e o show. Foi uma paz incrível! Casa deserta, no meio da montanha, rolou som de iPad no meio do gramado… Fomos tocar às 20:30.

O show foi numa outra casa incrível, com uma vista pro vale. Essa área conheço bem pois levei muito som de violão em Araras quando adolescente. O show teve bis e tris, e depois partimos direto pro RJ. Chegamos às 4 da manhã. Domingo com a família, praia, futebol, ensaios e terça fui participar do show da banda do diretor do Music Box Brazil, Mazzeron. No Leviano da Lapa bem cheio, encontrei amigos como Bacalhau (Autoramas), Luiz Lopez (Filhos da Judith) e MV Bill. Cantei “Remédios” e “Meus Bons Amigos”. Bill adorou “Remédios”, depois o encontraria na festa da música em Canela e daria o cd a ele, que voltou a comentar sobre “Remédios”. Isso foi numa terça.

Quarta ensaiamos Police com os Lenhadores. A partir de quinta partiríamos para uma turnê de 4 shows em três dias, com 2 shows na sexta. E na segunda partiríamos pra Festa Nacional da Música. Essa turnê de 4 shows foi excelente porque o hotel era minha casa! rs. Os 4 shows eram no RJ e pude ficar com minha família de dia e só ir para os shows à noite. Equipe completa com roadie, técnico de som, empresário, etc. Aí nem preciso passar o som. Então fico trabalhando no escritório em casa vendendo shows e ficando com minha esposa e filhos!

Na quinta o show foi no Copacabana Palace pro Núcleo Carioca de Decoração. Festa lotada, começamos com “Maior Abandonado” e daí em diante só petardos! O Copacabana Palace nos abraça muito bem. E o show foi cedo. Dormi bem e no dia seguinte show no Jóquei Clube-RJ, também festa fechada, desta vez pra Casa de Saúde São José! É o tipo de show que se eu passar mal sei que tenho milhares de médicos “a bordo”. Os maiores especialistas! rs.

Começamos pontualmente às 20:40 pois tínhamos outro show em Niterói às 2 da manhã. Esse show foi muito bom, teve canja do nosso cardiologista oficial, chefe da sessão coronária, que toca muita guitarra, Gustavo Golveia. Fizemos Beatles e 4 do Barão + Stones com ele. Essa festa rendeu uma porta aberta pra milhares de show. Foi no salão nobre do Jóquei. Nesse dia estreamos ao vivo “Every Little Things She Does is Magic” pra testar com som bom. E a festa toda dançou! Essa já está pronta pra receber Andy Summers.

Bem, fim de show, saímos correndo pra Boate Casa em Niterói. Assim como os outros shows, estava lotada! Entramos às 2:15 da manhã e fizemos um dos shows mais punks de nossa história. Sem palavras, só musica. No final depois de bis (já temos fã-clube lá), Kadu teve um pequeno estresse com o cara do som. Tive de intervir como artista solo, e cheguei duro no cara, com argumentos que o fizeram recuar. Ele queria bater no Kadu. E Kadu estava com a razão, desmontando suas coisas quando o cara veio acelerar o andamento. Aí o cansaço dos shows se faz valer e Kadu respondeu de um jeito arrogante também. Só q esse cara era novo na casa. E Fernando me avisou que estava acontecendo isso. Fui lá correndo e dei um esporro no cara. Depois o acalmei e ele me deu um abraço entendendo e aceitando minhas desculpas como líder do trabalho. Ficou meu fã e ficou tudo bem. Depois dei uma dura no Kadu sobre isso, pois numa dessa pode não dar tempo de evitar uma porradaria. Sou muito atento e diplomático com isso. Depois fomos embora pro Rio!

Acordei pra fazer vistoria do meu carro e depois tocar às 20hs num casamento em Santa Teresa. Descobri que a dona da casa queria acústico! Mas a noiva não. Mais um contorno! De última hora. Bem, levei violões, mas acabei montando novo formato, bumbo + caixa + baixo em linha + guitarra baixinha. Fizemos um showzaço bem baixinho, mas com qualidade. Foi o som mais baixo que me lembro de fazer. Mas todos adoraram, 3 bis e muitos CDs distribuídos.

O filho do “barão” Peninha estava lá e cantou duas com a gente, de improviso! Bem, 22hs fomos pra casa e domingo com a família, praia, etc. Segunda-feira sem dormir, partimos pra Festa Anual da Música, um encontro de toda a classe com muitas homenagens e jam sessions dentro do hotel… Foi muito legal! Esse capítulo conto no próximo post.”

– Rodrigo Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *